segunda-feira, 9 de novembro de 2009

A hóspede


A hóspede

Ela desfruta dessa vida
como sedento saciando no poço
a sede da euforia incontida
sorrindo à garganta do fosso.

Ela anda carregada pela força
desses ventos litorais
com um caminhar faceiro de moça
apesar dos vividos carnavais.

Prefere dos extremos, o meio
apenas quando lhe convém
porque há nela um anseio
de ser compreendida por ninguém.

Carrega nos olhos uma doçura
dessas que a dor encurta
mas logo descobre quem procura
sua saliva de cicuta.

Ela não pede, ordena
com uma autoridade tão sutil
deixando em quem obedece a sensação amena
de que ela de fato pediu.

Dissimulada em pele lisa
enroscada e comovente
ela inocula em quem a pisa
o seu veneno de serpente.

Indiferente diante dos tombos
das costumeiras rasteiras da vida
vai se reerguendo sobre seus escombros
essa nix renascida.

Ela traz consigo um segredo:
a simbiose de demônio e querubim
e aceito servil esse degredo
de ela e eu morarmos em mim.

9 comentários:

  1. Não sei por onde começar o comentário a não ser dizendo que ficou fantástica a poesia. É simplesmente instigadora, é a mulher que usufruta da vida e usa do homem. A mulher que interessa é aquela que realmente é essa simbiose de demônio e querubim....dessa forma fico eu aqui, completamente rendido e interessado...

    bjos minha mestra poetisa!

    ResponderExcluir
  2. A recompensa de uma alma que escreve é encontrar uma que leia. Por isso sigo escrevendo com a minha, para que me leia com a sua...

    Discordo que essa mulher que acolhe a simbiose interesse aos homens, na minha opinião, elas assustam - pelo menos aos comuns.

    Beijos, poeta!

    ResponderExcluir
  3. Amada, ADOREI essa poesia. Acho que estou tendo uma professora incrível. Quem sabe não encontrei um dom com você. Parabéns!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Linda, a poesia está tão maravilhosa que não sei o que dizer além disso. Sabe que não tenho jeito com essas coisas. Também a escolha da ilustração foi perfeita, as duas juntas como você e a "hóspede", a loira e a morena, demais. Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Hummm...se continuar assim nem sei onde vou parar...com minhas fantasias e mistura com suas palavras solta ao vento...rsrsrs, quer dizer, nas suas belas poesias!
    Parabéns! Estou totalmente envolvida com suas poesias...

    Beijos no ♥...

    ResponderExcluir
  6. Bruma,

    Eu não sei comentar poemas. Eles sentem-se ou não, e, eu tenho dificuldade em encontrar palavras para os sentimentos. Não sou poeta. Sou leitora, às vezes devoradora.
    Posso dizer-te que senti o teu poema. Ele arrepiou-me a pele.

    Beijos
    Luísa

    ResponderExcluir
  7. Ora, vivendo e aprdendeno!!
    Tô vendo que, a cada dia, aparecendo mais um(a) poeta(isa), essa comunidade de sentimentos e intentos nobres ao brincar com as letras, aumenta e eu vou ficando mais cercado de pessoas afins!!

    Essa mulher, esse amor, esse amálgama de be/mal, instalado em vc, tbm vive em mim. Pois esse amor não é apenas individuado, é o yin-yang dançando uma valsa em cada um de nós!!

    BJs Bruma!!

    ResponderExcluir
  8. In Tentationem
    _______________


    Esse amálgama de bem e mal,
    Instalado no fundo de você,
    Levanta turbilhão colossal;
    Quem te viu, quem te vê??

    Uma valsa no barro e na lama.
    Adão e Eva, odeia ou ama?
    Só mostras que escondes sob o véu
    A chama do inferno. Não, é o céu!!

    Não sei distinguir de que mundo és,
    Não sei dizer seés cordeiro ou serpente.
    Mas, de perfil, te vejo naquele convés,
    De preto e vermelho, pura e indecente.

    ResponderExcluir
  9. Extremamente belasegunda-feira,"A hóspede"seguindo na inspirada face da dúvida feminina,incorporada em tôda a meiguisse...Muito calmante e deliciosa poesia!!Parabéns!!!

    ResponderExcluir

Obrigada por sua visita e seu comentário. Volte sempre. Abçs